Ataques cibernéticos russos representam maior risco para governos e outros insights | TVCLASSIFICADOS.com Mobile Television Network

Ataques cibernéticos russos representam maior risco para governos e outros insights do Relatório Anual de Defesa Digital da Microsoft   Durante o ano passado, 58% de todos os ataques cibernéticos de Estados-nação observados pela Microsoft vieram da Rús...

tecnologia, hackers, ataques, russia, ransomware, fraudes

Ataques cibernéticos russos representam maior risco para governos e outros insights

Publicado por: Redação
07/10/2021 12:01:51
Cortesia Pixabay
Cortesia Pixabay

Ataques cibernéticos russos representam maior risco para governos e outros insights do Relatório Anual de Defesa Digital da Microsoft

 

  • Durante o ano passado, 58% de todos os ataques cibernéticos de Estados-nação observados pela Microsoft vieram da Rússia.
  • O relatório deste ano destaca como os agentes de ameaças continuam a aumentar sua sofisticação, usando técnicas que tornam os ataques mais difíceis de detectar e com atividades que aumentaram em tempos de crise
  • Os ataques feitos por agentes de Estados-nação são cada vez mais eficazes, enquanto os crimes cibernéticos – especialmente o ransomware – continuam a ser uma praga grave e crescente
  • Governos e empresas estão trabalhando mais do que nunca para investigar, penalizar e combater as ameaças cibernéticas

 

 Hoje, a Microsoft está lançando seu segundo Relatório Anual de Defesa Digital, que abrange o período de julho de 2020 a junho de 2021, e suas descobertas analisam as tendências em atividades de Estados-nação, crime cibernético, segurança da cadeia de suprimentos, trabalho híbrido e desinformação. O estudo destaca que os ataques de agentes russos são cada vez mais eficazes, saltando de uma taxa de comprometimento bem-sucedido de 21% no ano passado para 32% neste ano.

 

O relatório é uma compilação de dados integrados e insights acionáveis de toda a Microsoft, que podem ser usados para ajudar empresas, organizações e governos em todo o mundo a entenderem e se protegerem melhor no cenário mais amplo de segurança cibernética. A seguir, alguns insights relevantes do relatório:

 

Atividade de Estados-nação

  • Durante o ano passado, 58% de todos os ataques cibernéticos de Estados-nação observados pela Microsoft vieram da Rússia. Os agentes do Estado-nação russo estão cada vez mais visando agências governamentais para a coleta de informações, sendo que:

 

- Saltaram de 3% como alvo há um ano para 53% – principalmente agências envolvidas em política externa, segurança nacional ou defesa.

 

- Os três principais países-alvos dos agentes da Rússia foram os Estados Unidos, Ucrânia e o Reino Unido.

  • Depois da Rússia, o maior volume de ataques que observamos veio da Coreia do Norte, Irã e China; a Coreia do Sul, Turquia (uma nova inclusão em nossos relatórios) e Vietnã também foram ativos, mas representam muito menos volume.

 

  • Embora a espionagem seja o objetivo mais comum para ataques por Estados-nação, algumas atividades de ataque revelam outros objetivos, incluindo:

 

- O Irã, que quadruplicou o seu foco em Israel no ano passado e lançou ataques destrutivos em meio a tensões elevadas entre os dois países.

 

- A Coreia do Norte, que visou empresas de criptomoeda para fins lucrativos, pois sua economia foi dizimada por sanções e pela COVID-19.

 

  • 21% dos ataques que observamos de Estados-nação visaram consumidores e 79% visaram empresas, com os setores mais procurados sendo governo (48%), ONGs e think tanks (31%), educação (3%), organizações intergovernamentais (3%), TI (2%), energia (1%) e mídia (1%).

 

Para deixar claro, a Microsoft não observa todos os ataques cibernéticos globais. Por exemplo, temos visibilidade limitada de ataques direcionados a sistemas on-premises que as organizações gerenciam por conta própria, como os ataques ao Exchange Server no início deste ano, e ataques direcionados a clientes de outros provedores de tecnologia. Acreditamos que compartilhar os dados que temos sobre estas ameaças seja útil para clientes, formuladores de políticas e para a comunidade de segurança em geral, e convidamos outras pessoas a compartilhar o que estão observando com sua visibilidade. A boa notícia é que nossa visibilidade das ameaças e nossa capacidade de ajudar a detê-las continuará a crescer à medida que mais organizações se mudarem para a nuvem.

 

Crime cibernético

O crime cibernético – especialmente o ransomware – continua a ser uma praga grave e crescente, como evidenciado no relatório deste ano.  Mas, enquanto os agentes de Estados-nação visam principalmente as vítimas com informações úteis, os criminosos cibernéticos visam as vítimas com dinheiro.  Como resultado, os alvos muitas vezes têm um perfil diferente. Os ataques de crimes cibernéticos a infraestruturas críticas – como o ataque de ransomware à Colonial Pipeline – muitas vezes roubam as manchetes. No entanto, os cinco principais setores visados no ano passado em relação a ataques de ransomware observados por nossa Equipe de Detecção e Resposta Rápida (DART) são varejo (13%), serviços financeiros (12%), manufatura (12%), governo (11%) e serviços de saúde (9%). Os Estados Unidos são de longe o país mais visado, recebendo mais do que o triplo dos ataques de ransomware que o país em segundo lugar. Os EUA são seguidos pela China, Japão, Alemanha e Emirados Árabes Unidos.

 

O ransomware continua sendo uma das maiores ameaças do crime cibernético e, no ano passado, continuou a evoluir para se tornar mais disruptivo. Em vez de se concentrar em ataques automatizados que dependem do volume e de baixas demandas facilmente pagas para gerar lucro, o ransomware operado por humanos usa inteligência coletada de fontes on-line, roubando e analisando os documentos financeiros e de seguro da vítima e investigando redes comprometidas para selecionar alvos e definir exigências de resgate muito maiores.

 

O combate em um ambiente de trabalho híbrido

À medida que as ameaças on-line aumentam em volume, sofisticação e impacto, todos devemos tomar medidas para fortalecer a primeira linha de defesa. Uma destas medidas é usar recursos de autenticação fortes, como autenticação multifator ou MFA. Na verdade, se as organizações apenas aplicassem o MFA, usassem antimalware e mantivessem seus sistemas atualizados, elas estariam protegidas contra mais de 99% dos ataques que vemos hoje.

 

As organizações que tomam medidas básicas para se protegerem irão além das medidas mais sofisticadas que as empresas de tecnologia e o governo podem tomar para protegê-las. A boa notícia é que nos últimos 18 meses vimos um aumento de 220% no uso de autenticação forte, pois as empresas vêm pensando em aumentar sua postura de segurança em um ambiente de trabalho remoto. A má notícia é que ainda temos um longo caminho pela frente. Parte da solução precisa ser a capacitação de mais profissionais de segurança cibernética que podem ajudar organizações de todos os tipos a se manterem seguras, e teremos mais para compartilhar sobre nosso trabalho nesta área nas próximas semanas.

 

Há três tendências que também nos dão esperança:  

Primeiro, o governo dos EUA tomou medidas sem precedentes para abordar a segurança cibernética usando leis e autoridade já registradas. A Ordem Executiva anunciada em maio contribuiu muito para tornar o governo federal dos EUA e aqueles com quem eles trabalham mais seguros, e a liderança da Casa Branca, em parceria com o setor privado no meio dos ataques ao Exchange Server pelo HAFNIUM no início deste ano, estabeleceu um novo padrão para colaboração relacionada a incidentes. 

 

Em segundo lugar, os governos em todo o mundo estão introduzindo e aprovando novas leis que exigem coisas como denúncias obrigatórias quando as organizações descobrem ataques cibernéticos, para que as agências governamentais apropriadas tenham um senso do escopo do problema e possam investigar incidentes usando seus recursos.  

 

Em terceiro lugar, tanto os governos como as empresas estão se apresentando de forma voluntária quando são vítimas de ataques. Esta transparência ajuda todos a entender melhor o problema e permite um maior engajamento do governo e das equipes de resposta imediata.  

 

As tendências são claras: os Estados-nação estão cada vez mais usando, e continuarão a usar, ataques cibernéticos para quaisquer que sejam seus objetivos políticos, seja espionagem, interrupções ou destruição. Prevemos que mais países se juntarão à lista daqueles que se envolvem em operações cibernéticas ofensivas e que estas operações se tornarão mais descaradas, persistentes e prejudiciais, a menos que haja consequências mais graves. E o mercado de crimes cibernéticos continuará a se tornar mais sofisticado e mais especializado, a menos que todos nós desenvolvamos nosso trabalho para impedi-los. Mais trabalho do que nunca está em andamento para lidar com estas preocupações, mas precisaremos garantir que elas permaneçam como prioridade nas agendas nacionais e internacionais nos próximos anos.

 

Para mais informações, o segundo Relatório Anual de Defesa Digital da Microsoft pode ser visto gratuitamente aqui.

 

Sobre a Microsoft

A Microsoft (Nasdaq “MSFT” @microsoft) habilita a transformação digital na era da nuvem inteligente e da fronteira inteligente. A missão da Microsoft é empoderar cada pessoa e organização no planeta a conquistar mais.

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários