A procura de emprego aos 50 anos | TVCLASSIFICADOS.com Televisão via Internet

80% das pessoas que tentam conseguir emprego têm 50 anos ou mais.   Hoje as tecnologias inovam e os funcionários devem se atualizar para não ficar para trás para se manterem no mercado. O profissional deve ser mais dinâmico, capaz de se virar quando se...

idoso, emprego, aposentadoria, trabalho, velho

A procura de emprego aos 50 anos

Publicado por: Redação
27/11/2015 12:39:10

80% das pessoas que tentam conseguir emprego têm 50 anos ou mais.

 

Hoje as tecnologias inovam e os funcionários devem se atualizar para não ficar para trás para se manterem no mercado. O profissional deve ser mais dinâmico, capaz de se virar quando se depara com novas situações e problemas que o trabalho possa oferecer. Mas não é todo mundo que consegue se adaptar a essa realidade.

 

E dessas pessoas que têm dificuldade de arranjar emprego ou então se recolocar no mercado, 80% têm 50 anos ou mais. Uma explicação simples para esse número é que essa geração não é capaz de aperfeiçoar suas habilidades tão facilmente. Para Madalena Feliciano, diretora do Outliers Careers, isso se dá pela forma com que a educação foi dada. “As pessoas que tem 50 anos hoje tiveram sua educação e formação profissional na década de 60.

 

De lá para cá, muita coisa mudou, a sociedade era mais engessada. Os números de cursos de graduação aumentaram muito, por exemplo. Naquela época existiam basicamente os cursos de Medicina e Direito, que eram os mais elitizados. Hoje há diversas carreiras que podem ser seguidas”.

 

Mas por que essas pessoas sofrem tanto?

 

Existem alguns fatores, seja no comportamento das pessoas ou nas mudanças que aconteceram no mundo, que influenciam esse número. Nesse contexto, a especialista afirma que a terceira idade precisam buscar formas de se atualizar. “Muitos profissionais mais velhos não sabem elaborar seu currículo, por exemplo. É necessário planejamento. Como você pode se apresentar sem ter um portfólio? Mostrar o que você já fez e onde trabalhou?”, questiona ela.

 

Um fator que interferiu diretamente nesse cenário foi o surgimento de novas tecnologias. Elas tomaram conta de todos os espaços e viraram fundamentais na rotina. “É muito difícil ter um trabalho hoje que não utilize um celular smartphone, computador ou qualquer aparelho eletrônico. A maneira de trabalhar e se relacionar mudou muito, principalmente nos anos 2000, que foi a época que a internet se popularizou”, diz.

 

O comodismo é uma característica dessas pessoas mais velhas. “Muitos avós e até mesmo pais menosprezam o mundo virtual. Geralmente elas falam que não precisam disso, que até pouco tempo não existia Facebook, Twitter ou qualquer outra rede social. Abrir a cabeça para essas novas oportunidades também é importante”, avalia.

 

Madalena afirma então que é preciso sair da zona de conforto e estar presente nesse ambiente digital. “Criar perfis em mídias sociais profissionais pode ser um primeiro passo para quem é mais velho. No começo pode ser difícil, mas quem realmente pretende voltar a estar presente no mercado tem que começar a utilizar a internet também. É preciso estar online”, revela.

 

Porém, não é só a rede que pode proporcionar melhoras no seu perfil. A participação em palestras, congressos e oficinas podem ajudar a desenvolver novas habilidades e fortalecer os pontos fracos. “O profissional que ter um diferencial agregado ao currículo sai na frente em qualquer contratação. Em uma entrevista, essas pessoas podem usar um curso que fizeram para se destacar, além de utilizar a maturidade e experiência para convencer o empregador de que é a melhor opção para a empresa”, conta.

 

Segundo Madalena, alguns velhos modos também não saíram de cena e continuam valendo. “A indicação é algo que ainda continua muito forte, por isso é sempre bom aumentar sua rede de contatos. Além disso, cuidar do visual pode te dar um destaque. A boa aparência, não se trata de ser bonito, mas sim de saber se vestir de acordo com a ocasião e principalmente saber se portar. Querendo ou não, a primeira impressão é a que fica”, conclui.

 

Serviço: Madalena Feliciano

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados