O Brasil na corda bamba | TVCLASSIFICADOS.com Para Smart TV, PC e Móbiles

  *Por Reginaldo Gonçalves   A nota de bom pagador do Brasil não existe mais por conta de duas agências que fazem a análise de risco. Com o corte da nota de crédito do Brasil pela agência Fitch, o País, que era considerado grau de investimento, passou ...

corda, bamba, risco, finanças

O Brasil na corda bamba

Publicado por: Redação
17/12/2015 16:48:33

 

*Por Reginaldo Gonçalves

 

A nota de bom pagador do Brasil não existe mais por conta de duas agências que fazem a análise de risco. Com o corte da nota de crédito do Brasil pela agência Fitch, o País, que era considerado grau de investimento, passou a ser grau especulativo.

 

O motivo para o corte da nota de BBB- para BB+, com o risco de ser rebaixada novamente, demonstra a preocupação que o cenário político e econômico do País desperta. As premissas com relação à economia não são boas: temos inflação alta e PIB baixo e precisamos lembrar que não há uma estratégia futura sustentável. Isso leva o investidor a se preocupar com os riscos de investimentos no Brasil.

 

A busca por financiamento externo aumenta, por conta do risco de que o país não honre seus compromissos - além do custo mais caro para o tomador de recursos.

 

A situação econômica continua provocando sinais de desaceleração no ritmo das empresas, principalmente as indústrias, que têm sofrido muito com a redução das vendas ocasionada pelo repasse do aumento dos impostos. Sem falar na perda de competitividade, resultado da falta de investimento em máquinas e equipamentos. O resultado: custo produtivo mais alto e menos vendas.

 

Os reflexos da redução da nota pela agência de risco diminuem sensivelmente os investimentos a serem efetuados nas empresas brasileiras que necessitam de recursos para melhoria no parque industrial e aumento no volume de vendas.

 

Se não houver uma estabilização no cenário político e diminuição dos custos do governo para equilibrar o orçamento de 2016, o Psaís ficará engessado e terá mais problemas para dar continuidade a seus negócios - o que pode levar ao fechamento de várias empresas e, por consequência, um maior índice de demissões, o que gera impacto negativo no PIB. Ou soluciona-se o cenário político que tornou algumas empresas insustentáveis ou veremos um cenário pior em 2016.

 

Reginaldo Gonçalves é coordenador do curso de Ciências Contabéis na Faculdade Santa Marcelina - FASM

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar