A TV aberta não é mais o centro de campanhas de publicidade? | TVCLASSIFICADOS.com Para Smart TV, PC e Móbiles

A TV aberta não é mais ainda o Centro de campanhas de vídeo? Como muitos executivos da mídia digital, tive um desses momentos de esperar o que?, Recentemente, quando vi que a empresa de inteligência de marketing, a WARC, descobriu que a porcentagem de ...

tvclassificados, publicidade, televisão, pesquisas, live, cdn, tvcaruaru, salvador, bahia, região, pernambuco, cdnfull, automoveis, motos, caminhões, ônibus, compra, venda, troca, carro, novo, usado, repasse, feira, superfeira, automotores

A TV aberta não é mais o centro de campanhas de publicidade?

Publicado por: Redação
18/07/2017 10:15:26
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

A TV aberta não é mais o centro de campanhas de publicidade?

 

Como muitos executivos da mídia digital, tive um desses momentos de "esperar o que?", Recentemente, quando vi que a empresa de inteligência de marketing, a WARC, descobriu que a porcentagem de campanhas de marketing lideradas pela TV em sua lista de anunciantes mais efetivos "aumentou constantemente".

 

O relatório também observou uma "queda acentuada" ao longo do último ano em campanhas de liderança social.

 


A WARC não divulgou os dados que usou em seus cálculos, mas acho que a noção de que os anunciantes estão retornando à TV pode ser exagerada. Pelo contrário, a narrativa que contínua em 2017 é que os anunciantes estão fugindo da TV a uma taxa acelerada. O eMarketer espera que a fatia do bolo de TV em publicidade diminua de 35,2% hoje para 30,8% em 2021. Se notou alguma coisa, o fenômeno que a WARC revela é um dado falso, pelas seguintes razões:

 

1) A TV tem seu próprio problema de visibilidade. Os Bots são uma parte da mídia digital que é comum ver taxas de visibilidade na faixa de 40-60%. Enquanto isso, como você sabe que alguém está visualizando seu anúncio na TV aberta? A resposta é que você simplesmente não vê. A experiência pessoal mostra que muitas vezes as pessoas estão nos seus smatphones, tables ou notebooks e deixam a sala, mudam o canal quando um comercial aparece e lá se vai sua verba para o esgoto. Um estudo da Nielsen de 2010 descobriu que 14% dos telespectadores trocam canais durante uma interrupção comercial e 20% dos consumidores trocam de quarto durante os comerciais. Considerando que o CPM médio em horário nobre para adultos 18-49 foi de US $ 47 na temporada 2016-17, isso é um extraordinário desperdício.

 


2) A TV não é mais o dispositivo dominante na sala de estar como antigamente em que as famílias se postavam no sofá da sala para ver determinado programa. Um estudo do eMarketer em 2016 descobriu que quase 85% dos espectadores navegavam na web enquanto assistia à TV. Os dados biométricos descobriram que 60% do tempo que uma pessoa está mais comprometida durante uma sessão de TV é, na verdade, enquanto ele está fazendo uma atividade não relacionada à TV, como usar um dispositivo digital ou falar com outra pessoa na sala.

 

3) Os telespectadores mais jovens estão ajustando a TV tradicional em massa. Se você está tentando alcançar telespectadores mais novos, a TV não é o caminho mais indicado e está ficando cada vez menos efetiva ao longo dos ultimos anos. Um estudo de 2016 da empresa de mídia digital Defy Media descobriu que os consumidores 13-24 assistem 12,1 horas por semana de vídeo baseado na Internet em comparação com 8,8 horas em Netflix e outros serviços de assinatura de vídeo. Isso diminui as 8,2 horas por semana que passam assistindo televisão tradicional. Cerca de 30% dos Millennials também cortaram suas assinaturas de tv a cabo, rejeitando telefones tradicionais e serviços de tv a cabo, de acordo com uma pesquisa de 2016 da RM da GfK.

 


4) A publicidade televisiva ainda é muito desperdício. Embora a maior parte da publicidade digital seja comprada e vendida de forma programática e use volumes de dados para determinar se o consumidor alvo provavelmente estará interessado no produto, a maior parte das informações de TV ainda é baseada em dados demográficos. Isso é um pensamento desatualizado; É muito mais efetivo direcionar os consumidores interessados em sua categoria de produtos e ter comprado esse produto no passado do que os telespectadores que acabam por ter entre 18 e 49 anos. Uma década atrás, os vendedores de mídia podem ter argumentado que o vídeo na TV era mais eficaz do que os banners, mas esse vídeo agora era onipresente e uma compra muito melhor.

 


A advertência com este argumento é que a TV experimenta desespero na ansia de mudar. Como? Em alguns anos, a maioria das informações provavelmente será comprada e vendida de forma programática, da maneira que a mídia digital é. No entanto, esse não é o caso em 2017. Alguns dos principais anunciantes podem ter tido sucesso com as campanhas lideradas por TV recentemente, mas seguramente há maneiras mais eficiente e inteligentes de fazer isso.

 

Fonte: VÍDEOINK 

Compartilhar