Apps Signal e Telegram disparam em Portugal e no mundo por conta das novas regras do WhatsApp | TVCLASSIFICADOS.com 100% Digital

Os aplicativos de troca de mensagens Signal e Telegram dispararam nos downloads em todo o mundo depois de terem entrado em vigor as novas regras de compartilhamento de dados do WhatsApp com Facebook.   Em Portugal, Signal e Telegram são as duas apps ma...

tecnologia, app, vídeo, stream, streaming, live, stratup, legislação, lgpd, digital, tendência, 5g

Apps Signal e Telegram disparam em Portugal e no mundo por conta das novas regras do WhatsApp

Publicado por: Redação
15/01/2021 19:40:19
Divulgação
Divulgação

Os aplicativos de troca de mensagens Signal e Telegram dispararam nos downloads em todo o mundo depois de terem entrado em vigor as novas regras de compartilhamento de dados do WhatsApp com Facebook.

 

Em Portugal, Signal e Telegram são as duas apps mais populares do momento na Google Play Store. Um fenómeno que está directamente associado às novas regras de partilha do WhatsApp.

 

Foi a 4 de Janeiro que o WhatsApp anunciou a mudança na sua política de privacidade, realçando que os seus utilizadores teriam que aceitar a partilha de alguns metadados para fins comerciais com o Facebook, a empresa que a tutela. Em caso de recusa, os utilizadores deixam de poder usar o serviço a partir de 8 de Fevereiro.

 

A app de mensagens apontou que as mensagens escritas e os contactos guardados na aplicação vão permanecer encriptados, não estando acessíveis ao Facebook. Mas admitiu que, a partir de 8 de Fevereiro, há metadados que vão estar ao dispor da empresa liderada por Mark Zuckerberg para melhorar os serviços de comércio electrónico e de publicidade.

A situação, que se junta aos recentes casos de segurança e de privacidade envolvendo o WhatsApp e o Facebook, está a levar muitas pessoas a aderirem ao Signal e ao Telegram.

 

Comissão Europeu troca WhatsApp por Signal

A própria Comissão Europeia (CE) também deixou de utilizar o WhatsApp como plataforma privilegiada para a troca de mensagens, recomendando aos seus membros que optem antes pelo Signal, como destaca o jornal Politico.

 

“O Signal é a plataforma escolhida como aplicação recomendada para a troca de mensagens instantâneas públicas”, aponta a CE numa nota interna enviada aos seus membros, como cita aquele jornal.

 

Esta medida foi tomada no seguimento das reformas de cibersegurança que vêm sendo implementadas na CE após o ataque informático de que foi alvo em 2018.

 

Figuras como Edward Snowden, ex-analista da Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA), e o empresário Elon Musk já recomendaram o uso do Signal.

 

Esta app foi desenvolvida em 2013 por activistas pela privacidade. O projecto foi financiado por uma fundação sem fins lucrativos que é apoiada pelo fundador do WhatsApp, Brian Acton, que deixou a empresa em 2017 em divergência com as políticas do Facebook.

 

Esta app é elogiada pela qualidade da sua encriptação, ou seja, pela forma como codifica as mensagens, e também pelo facto de ser open source, isto é, de código aberto.

 

“Por ser de código aberto, podemos sempre verificar o que está a acontecer nos bastidores”, salienta, citado pelo Politico, o especialista em encriptação Bart Preneel da Universidade de Leuven, Bélgica.

 

O Signal baseia-se no mesmo protocolo do WhatsApp, conhecido como Open Whisper Systems, mas especialistas de privacidade dizem que tem uma segurança superior.

 

“Não podemos ler as suas mensagens ou ver as suas chamadas e mais ninguém pode”, explica-se no site da app que cifra as comunicações durante as conversas com chaves de segurança que ficam do lado dos utilizadores – isto significa que não podem ser lidas pela própria empresa.

 

Telegram suscita mais dúvidas de segurança, apesar de estar a viver também um boom de utilizadores à boleia do WhatsApp, como fez questão de celebrar nas redes sociais.

 

Criado, em 2013, pelos irmãos russos Pável e Nikolái Dúrov, os mesmos que desenvolveram a rede social russa VKontakte, o Telegram tem sido alvo de várias tentativas de bloqueio em diversos países porque costuma recusar qualquer colaboração com as autoridades.

 

Tem sido muito usada por terroristas do Estado Islâmico para manterem conversas secretas, angariarem fundos e até para negociarem resgates de reféns. Essa realidade pode ter a ver com o facto de ter um sistema de criptografia mais elaborado, impedindo a gravação das conversas na aplicação e, assim, não permitindo que outras pessoas as consultem.

 

Telegram já tem mais de 500 milhões de utilizadores

Também nos EUA, a instalação do Signal e do Telegram aumentou desde o início do ano.

Entre os dias 6 e 10 de Janeiro, a Signal acumulou 7,5 milhões de downloads para os sistemas operativos móveis Android e iOS, superando em 43 vezes o número registado na semana anterior, adiantou o website Sensor Tower, especializado em ‘software’ para telemóveis.

 

Já o Telegram contabilizou, segundo o portal Apptopia, 5,6 milhões de descarregamentos no mesmo período e anunciou que ultrapassou os 500 milhões de utilizadores activos em todo o mundo, 25 milhões dos quais registados nas 72 horas anteriores.

 

Esta subida nos downloads aconteceu depois da invasão à sede do Capitólio, o Congresso norte-americano, perpetrada por apoiantes de Donald Trump, que resultou, pelo menos, em 5 mortes e motivou a remoção de conteúdo ultraconservador da Internet.

 

Os incidentes ocorridos em Washington ditaram, por exemplo, o encerramento da aplicação de mensagens encriptadas Parler, popular entre pessoas afectas à extrema-direita, e a suspensão das contas de Trump nas redes sociais Facebook e Twitter, após o chefe de Estado ter incitado ou desvalorizado os actos de violência.

 

Crítico da decisão das redes sociais contra Trump, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, já criou uma conta no Telegram. Também os ministros brasileiros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do Meio Ambiente, Ricardo Salles, migraram para a mesma app, tal como alguns deputados e políticos ‘bolsonaristas’.

 

Originalmente publicado por: Susana Valente, Planeta ZAP // Lusa

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados

Comentários