A nova grande marca de smartphones é chinesa — mas não é a Huawei | TVCLASSIFICADOS.com 100% Digital

Depois das sanções americanas terem afetado o negócio da Huawei com a inibição de várias funcionalidades da Google, há uma nova gigante tecnológica chinesa a crescer no mercado dos smartphones – a Xiaomi.   Mais nenhuma empresa vendeu mais telemóveis n...

tecnologia, smartphones, celulares, marcas

A nova grande marca de smartphones é chinesa — mas não é a Huawei

Publicado por: Redação
25/08/2021 20:28:13

Depois das sanções americanas terem afetado o negócio da Huawei com a inibição de várias funcionalidades da Google, há uma nova gigante tecnológica chinesa a crescer no mercado dos smartphones – a Xiaomi.

 

Mais nenhuma empresa vendeu mais telemóveis no mundo em Junho. A Xiaomi ficou à frente da sul-coreana Samsung e também ultrapassou a Apple no segundo quadrimestre tornando-se assim a número dois global, avança o The Wall Street Journal.

 

A empresa tem preenchido a lacuna deixada pela Huawei nos mercados, com a mesma receita usada por outras multinacionais chinesas — produtos comparáveis à competição, mas com preços muito mais competitivos.

 

A Xiaomi lidera na Europa, com uma quota de mercado de 24% — quase o dobro no plano homólogo. A empresa foi a maior vendedora na Dinamarca, Bélgica, Ucrânia e Rússia.

 

Há um ano, a Huawei era a maior produtora mundial de smartphones, com um quinto do mercado global. Mas as sanções impostas pelos Estados Unidos a chips importantes e a certas funcionalidades da Google acabaram por ditar a queda da empresa e as vendas no segundo quadrimestre deste ano caíram mais de 80% em comparação com o ano passado.

 

Por causa disto, quando chega a hora de comprar um novo telemóvel, muitos antigos utilizadores da Huawei optam por comprar um dispositivo da Xiaomi, e John Michael Ausejo é um exemplo disso.

 

Quando estava à procura de um novo smartphone, o estudante filipino achou os preços pouco atractivos, e acabou por gastar apenas 170 euros num Xiaomi Redmi Note 9 — com uma bateria que dura até dois dias e quatro câmaras.

 

A filosofia da empresa continua a ser focar-se na produção de smartphones acessíveis, apesar de também estar a aventurar-se na criação de dispositivos mais sofisticados. Um exemplo do WSJ é o Xiaomi Mi11 Ultra, que várias funcionalidades semelhantes com o Samsung Galaxy S21, mas é cerca 340 euros mais barato.

 

O CEO da empresa, Lei Jun, não é parco nas ambições, tendo já dito que quer consolidar a Xiaomi no segundo lugar no mercado global a curto-prazo e, daqui a três anos, ultrapassar a Samsung e ocupar o lugar cimeiro na venda de telemóveis inteligentes.

 

Esta explosão da Xiaomi surge depois de vários anos a crescer pouco. A empresa chegou a liderar o mercado interno na China, mas o surgimento de rivais no país, como a Huawei, tirou-a da liderança. As sanções impostas por Trump também afectaram a Xiaomi este ano, mas a empresa conseguiu reverter a decisão depois de uma batalha legal.

 

Apesar do grande crescimento global, falta ainda ganhar terreno no mercado americano, já que a empresa não tem os acordos necessários com as operadoras para poder vender telemóveis. Mesmo sendo um mercado “atractivo para todos”, o presidente afirma que por enquanto está a focar-se na Europa.

 

Originalmente Publicado por: Planeta ZAP

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários